Fluxo de caixa: as maiores dúvidas sanadas de forma prática!

Fluxo De Caixa

Compartilhe nas redes!

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Vai ficar na dúvida sobre o seu próprio fluxo de caixa em um momento de crise? 

Agora, um fluxo de caixa errado e simplesmente não fazê-lo é a mesma coisa, então, resolvemos reunir as maiores dúvidas sobre o assunto para você não dar chance para o azar na sua empresa!

De nada adianta estar no meio de uma crise, tanto sanitária quanto econômica, e apenas apagar pequenos incêndios a todo momento, pois, mais cedo ou mais tarde, o fogo será incontrolável, algo que poderia ser evitado se o problema fosse tratado com mais seriedade.

E apesar da analogia não citar empresas, todo empreendedor sabe que o momento empresarial é muito parecido, afinal, cada dia aparece um problema diferente a ser resolvido, então, como ir direto na fonte?

Bom, pensando em como agilizar o seu trabalho de pesquisa, nós reunimos para você as perguntas mais frequentes sobre fluxo de caixa, dessa forma, você poderá resolver os problemas direto na fonte e parar de apagar incêndios diariamente.

Então, pronto para se livrar de mais um problema?

Boa leitura! 

1. Quando e como fazer meu fluxo de caixa?

Antes de mais nada, você sempre deve estar amparado por um fluxo de caixa, afinal, ele é um dos maiores indicadores da sua empresa, sendo assim, ele precisa ser realizado desde o início da sua atuação, acompanhando gastos, investimentos, entradas, entre outros.

Agora, para fazê-lo, você precisa de:

  • Contabilizar o dinheiro que já está no seu caixa (ou seja, seu saldo inicial);
  • Listar suas despesas e receitas (reúna suas contas a pagar e a receber);
  • Anotar as movimentações financeiros do período escolhido (tanto entradas como saídas monetárias dentro de um arco de tempo, por exemplo, um mês);
  • Confira e atualize os dados que variam (por exemplo, se a sua conta de água varia, nunca esqueça de atualizar no seu fluxo de caixa essa saída, caso contrário, estará comprometendo a autenticidade dele).

Pronto! Com isso em mãos, já é possível monitorar seu caixa com maior precisão!

2. Qual é o modelo perfeito?

Muitos nos perguntam sobre ter um modelo perfeito, contudo, é necessário ter em mente que o seu negócio é único e, por isso, o que é perfeito para você não é o mais recomendado para outro empresário.

Mas, vale a pena mencionar os três tipos de fluxo de caixa aqui:

  • Fluxo de caixa simples: ele é básico e usa exatamente os dados que explicamos no item anterior, sendo assim, ele é útil para negócios que não necessitam de informações detalhadas, mas precisam de embasamento e monitoramento para gerenciar um empreendimento;
  • Fluxo de caixa diário: mais complexo que o simples, ele analisa todas as entradas e saídas ocorridas em um dia, um modelo geralmente adotado por franquias, pois precisa dispor de atenção profissional e exclusiva, já que são muitas informações diariamente;
  • Fluxo de caixa projetado: aqui é um modelo que serve para o empreendedor se planejar para o futuro, independente do porte do negócio, ele é útil para se prevenir de imprevistos ou para organizar melhor acontecimentos futuros.

3. Por onde começar?

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que não é necessário algo mirabolante para ter um fluxo de caixa impecável: com todas as informações que citamos no tópico 1, já é possível colocar a mão na massa e ter essa ferramenta disponível para gerenciar o seu negócio.

Portanto, reunir as informações é o primeiro passo de tudo!

4. O que precisa colocar?

Como já citamos no tópico 1, as informações fundamentais são:

  • Dinheiro em caixa: o valor em caixa disponível;
  • Despesas e receitas: valores positivos ou negativos que terão de sair do seu caixa;
  • Movimentações financeiras: tudo o que altera o saldo em caixa, inclusive uma pequena compra (contabilize até as balas que você comprar, tudo precisa ficar anotado!).

Ademais, apenas ficar atento para atualizar os dados e não deixar o seu informativo desatualizado.

5. O que não pode faltar?

Não pode-se retirar, em nenhuma hipótese, as informações que mencionamos. Elas são básicas e não pode-se enxugar ainda mais os dados iniciais para conseguir ter o seu caixa analisado com clareza.

6. E o que depois o que faço, no final das contas?

Com tudo em mãos, agora, você pode criar estratégias para aumentar o seu lucro, prevenir perdas, identificar gastos desnecessários, possíveis aplicações monetárias, a necessidade de realizar um empréstimo… as possibilidades são infinitas!

7. E quando percebo que o fluxo de caixa está piorando?

Se o seu fluxo de caixa vai mal… aí está o problema!

Bom, a ferramenta serve justamente para diagnosticar o seu negócio, então, se o diagnóstico não for favorável, é necessário buscar auxílio especializado para reverter a situação, pois apenas reunir e avaliar os dados não é o suficiente.

Portanto, você precisará de ajuda contábil para não apenas manter sua empresa em ordem como, também, te ajudar a encontrar meios legais e personalizados exclusivamente para a sua empresa sair do vermelho.

Então, se precisar de ajuda especializada, estamos aqui para te ajudar!

Basta clicar no botão verde que aparece no canto inferior direito da sua tela e entrar em contato com um profissional contábil que irá te ajudar a tornar o caixa o seu aliado e deixar as dores de cabeça para trás!

Compartilhe nas redes:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Recomendado só para você
A consultoria contábil é um dos pilares para que uma…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Open chat