Capital de giro: o que é e porque é necessário ter?

Capital De Giro

Compartilhe nas redes!

Entenda de uma vez por todas o que é o Capital de Giro e como ele pode definir se a sua empresa continua atuando ou se fecha as portas definitivamente

Você sabe sobre a necessidade de manter a saúde financeira na sua empresa, não é mesmo? Com certeza, já imaginou as mais diversas maneiras de garantir que tudo esteja em conformidade e que, ao final do mês, as contas fechem no azul… contudo, só há uma maneira de possibilitar tudo isso e ainda dormir tranquilo: o capital de giro!

Em aspectos gerais, podemos definir o capital de giro como uma metodologia para financiar o seu negócio ao longo do tempo a medida em que ela busca por mais clientes e novas fontes de faturamento…

Mas como fazer isso? Como saber qual é o valor correto para manter as finanças saudáveis e não deixar seu sonho ir por água abaixo?

Continue lendo este artigo e você terá todas as respostas!

O que é o capital de giro?

De maneira simplificada, é o dinheiro necessário para fazer com que a sua empresa funcione no intervalo entre os investimentos e o retorno financeiro que se espera dela. Contudo, vale citar que isso não se resume somente ao investimento inicial, portanto, ter dinheiro para uma reserva de emergência é sempre necessário!

Os processos que envolvem ativos e passivos circulantes, em geral, são muito demorados, sendo assim, o montante de dinheiro acumulado como capital de giro serve para que as contas fixas da empresa possam ser quitadas, tais quais:

  • tributos e impostos;
  • aluguel de imóveis;
  • salários;
  • contas de água, luz e internet; entre outros.

Posto isso, vale dizer que ficar na incerteza não é uma boa estratégia de gestão empresarial, ou seja, esperar que o dinheiro entre após a venda para, só então, poder pagar as dívidas fixas, não é algo que vá fazer com que seu negócio cresça e muito menos evolua, então, faça uma boa gestão de capital de giro.

Mas como calcular o valor necessário para se manter entre os períodos que ocorrem durante as saídas e entradas financeiras? Vamos ver!

Calculando o futuro

Assim como você já deve estar imaginando, o cálculo de capital de giro é simples, mas requer muita atenção, uma vez que será necessária uma análise minuciosa dos custos fixos e variáveis do seu negócio para, só então, definir o valor ideal para manter em caixa. 

Vejamos o passo a passo para o cálculo correto:

  • 1° Passo: faça o levantamento dos custos fixos (aqueles que não apresentam variações de valor ou, quando apresentam, são irrisórios);
  • 2° Passo: faça uma estimativa dos custos variáveis (aqueles diretamente relacionados à produção do seu produto/serviço, como a matéria-prima, por exemplo);
  • 3° Passo: calcule uma média diária de custos (faça a soma de todos os valores e os divida por 30);
  • 4° Passo: calcule o valor final sem a incidência do estoque (basta multiplicar o custo diário pelo prazo definido para os pagamentos que, em geral, é 30 dias);
  • 5° Passo: inclua o estoque e tenha o valor final (se estiver começando o seu negócio agora, seus custos com estoque serão maiores, contudo, se já estiver em funcionamento, será necessário ter ao menos o estoque mínimo até o próximo recebimento de produtos.
  • 6° Passo: some o valor final sem a incidência ao necessário para manter o estoque e terá o montante necessário para o seu capital de giro.

Simples, não é mesmo? 

Lembre-se sempre de que, apesar de parecer algo muito simples, o capital de giro deve ser uma das maiores cartas em sua manga e, por isso, é necessário ter muita atenção ao fazer o cálculo.

Portanto, caso precise do auxílio de profissionais para não apenas gerenciar o seu capital de giro, mas garantir que sua empresa crescerá de maneira exponencial, basta clicar no botão verde que aparece no canto inferior direito da sua tela e falar agora mesmo com um dos nossos especialistas!

Estamos esperando por você!

Classifique nosso post post

Compartilhe nas redes:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja também

Posts Relacionados

Qual o melhor regime tributário para prestadores de serviços?

O melhor regime tributário para prestadores de serviços é o Simples Nacional, visto que oferece alíquotas menores e o seu recolhimento é bem menos burocrático. Além disso, os valores dos impostos são fixos, por isso, possibilitando ter maior controle dos

Obrigações acessórias para empresas

As obrigações acessórias são uma das exigências do governo que as empresas brasileiras devem cumprir. E igualmente às obrigações tributárias principais, o não cumprimento do que está previsto em lei em relação às obrigações acessórias, há riscos de sanções. Confira

4 soluções de contabilidade para prestadores de serviços

As soluções de contabilidade para prestadores de serviços contribuem sobremaneira para o bom andamento dos negócios. Sem falar que os serviços de contabilidade são essenciais para todo e qualquer empreendimento. Haja vista que empreender implica no cumprimento de obrigações fiscais,

Recomendado só para você
Sem qualquer tipo de dúvida, você conhece o termo “fluxo…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top